segunda-feira, 17 de agosto de 2015

3895) "Guerra em Surdina" (18.8.2015)




Lutar na guerra deve ser uma das experiências mais traumatizantes que um sujeito pode ter. Só não digo que é “a mais” porque ser submetido a tortura deve ser pior ainda. Quando eu era pequeno via filmes de guerra e sonhava com heroísmo, aventura e principalmente massacre de soldados inimigos. Se todos os soldados alemães imaginários que já derrubei com minha metralhadora entrassem no cômputo da II Guerra Mundial, era mais gente do que os russos efetivamente abateram.

Guerra em Surdina (1964), de Boris Schnaiderman, é um livro curioso escrito pelo nosso grande tradutor e ensaísta, nascido na Rússia e abrasileirado como tantos outros da sua geração. Bóris veio para o Brasil menino, naturalizou-se, e lutou na FEB, na campanha da Itália. Seu livro é um relato bem pessoal de suas experiências, um misto de memórias e ficção. A ficção entra através do fato de que seu foco é o soldado “João Afonso”, no qual Bóris projetou fatos ocorridos tanto com ele próprio quanto com outros companheiros.

O livro é narrado tanto na p